Faltam

Dias
Horas
Minutos
Segundos

Fato ou Ficção: Revelando os Segredos dos Prebióticos Comprovados

Compartilhar

Construindo sobre a base estabelecida em nosso artigo anterior, continuamos nossa exploração no fascinante domínio dos prebióticos. Neste contexto, vamos aprofundar nas complexidades que os definem e entender o interesse dos consumidores em seu impacto na saúde.

Prebióticos como Tendência de Saúde

No artigo anterior, discutimos como os prebióticos, ingredientes alimentares que estimulam o crescimento ou atividade de bactérias benéficas no intestino conferindo benefícios à saúde, têm causado impacto nas indústrias de alimentos e bebidas. Sem dúvida, os prebióticos estão atraindo a atenção dos consumidores por seu potencial impacto na saúde e bem-estar. À medida que a demanda por prebióticos continua a crescer, entender o que são os prebióticos e suas implicações é crucial tanto para os consumidores quanto para a indústria alimentícia.

 

Prebióticos: Dos Primórdios ao Consenso Científico

A história dos prebióticos se desenrola em 1980, revelando a estimulação específica de bifidobactérias benéficas por fruto-oligossacarídeos (FOS). O início do conceito de prebióticos em 1995 marcou o início da pesquisa europeia para encontrar compostos nutricionais que fossem o alimento preferido para micro-organismos benéficos no intestino. No cenário dinâmico da nutrição, a definição de termos torna-se fundamental, e os prebióticos não são exceção. O período de 2004 a 2017 testemunhou a revisão regular da definição de prebióticos pela Associação Científica Internacional de Probióticos e Prebióticos (ISAPP), coroando 2017 com a publicação da definição de consenso.

Internacionalmente reconhecido por especialistas da ISAPP, o termo “prebiótico” é atualmente definido como “um substrato que é seletivamente utilizado por micro-organismos hospedeiros conferindo benefícios à saúde.” Essa definição, publicada na publicação do consenso por Gibson et al. (2017), reflete a solidez da ciência por trás dos prebióticos.

Decifrando a Definição de Prebiótico da ISAPP

Desmembrando a definição da ISAPP, um prebiótico é essencialmente um substrato que serve como alimento para micro-organismos, especificamente aqueles na microbiota intestinal. Esse substrato deve ser indigerível no intestino delgado e fermentável pela microbiota no intestino para funcionar eficazmente. O termo “seletivamente utilizado por micro-organismos hospedeiros” implica que certos micro-organismos, como bifidobactérias, prosperam nesses substratos, proporcionando benefícios à saúde.

 

Benefícios à Saúde de uma Microbiota Hospedeira Próspera

O impacto positivo de uma microbiota hospedeira próspera se estende além dos limites do intestino. Localmente, dentro do intestino, os prebióticos contribuem para aprimorar a função de barreira intestinal, o funcionamento intestinal e para elevar a acidez no lúmen intestinal. Além do intestino, os metabólitos bacterianos do processo de fermentação alcançam várias partes do organismo humano, oferecendo benefícios como saciedade aumentada auxiliando no controle de peso, melhor sensibilidade à insulina, níveis reduzidos de glicose no sangue apoiando o controle da ingestão de açúcar e o peso corporal, diminuição dos triglicerídeos, aumento da absorção de cálcio para suporte ósseo, apoio geral ao sistema imunológico, entre outros.

Prebióticos Comprovados vs. Potenciais

A definição da ISAPP fornece clareza sobre o que distingue prebióticos comprovados de potenciais candidatos. Para qualificar como prebiótico, um substrato deve ser seletivamente utilizado por micro-organismos hospedeiros. O elemento crucial é que esse processo deve conferir benefícios à saúde do hospedeiro humano, influenciando processos intestinais e extra-intestinais, e esse fato pode distinguir prebióticos comprovados de candidatos em potencial.

Avaliações científicas conduzidas pela ISAPP identificaram três prebióticos comprovados: Inulina, Fruto-oligossacarídeos (FOS) e Galacto-oligossacarídeos (GOS). Esses compostos, dois dos quais são frutanos do tipo inulina de origem vegetal (Inulina, Oligofrutose/FOS), e o terceiro sendo Galacto-oligossacarídeo, principalmente derivado da lactose, demonstraram sua eficácia por meio de estudos de intervenção humana de alta qualidade, destacando-os de candidatos em potencial.

Enquanto exploramos a variedade de produtos com prebióticos, podemos encontrar vários ingredientes que usam o termo “prebiótico” sem o respaldo científico adequado. Além de inulina, FOS e GOS, alguns podem ser considerados “prebióticos em potencial”, enquanto outros não atendem aos critérios. O uso inadequado do termo contribui para a confusão no mercado.

Olhando para o Futuro: Abrindo Caminho para Pesquisas Futuras

Enquanto Inulina, FOS e GOS permanecem como prebióticos estabelecidos, a jornada não termina aqui. A busca pelo conhecimento continua, instigando os pesquisadores a explorar candidatos potenciais por meio de rigorosos ensaios clínicos randomizados em humanos.

Fique atento para os próximos artigos em nossa série, onde continuaremos a navegar pelo cenário dinâmico dos prebióticos e revelaremos o potencial transformador dessas maravilhas, com insights para antecipar o que moldará o futuro da indústria de alimentos e bebidas.

Referências
BENEO Institute. (2023). Prebiotic natural support of good bacteria living in the human gut: ISAPP’s prebiotic definition – proven prebiotics, potential candidates. Fact Sheet. 4 p.
Chinese Nutrition Society, Chinese Nutrition Society (2021) Summary of “Expert Consensus on Prebiotics and Health of the Chinese Nutrition Society”. https://www.cnsoc.org/ysjysynews/452120205.htm
Gibson GR, Hutkins R, Sanders ME, Prescott SL, Reimer RA, Salminen SJ, Scott K, Stanton C, Swanson KS, Cani PD, Verbeke K, Reid G (2017) Expert consensus document: The International Scientific Association for Probiotics and Prebiotics (ISAPP) consensus statement on the definition and scope of prebiotics. Nat Rev Gastroenterol Hepatol 14(8):491–502. https://www.nature.com/articles/nrgastro.2017.75.pdf
Nagy et al. (2022) Crit Rev Food Sci Nutr:1–18. https://www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1080/10408398.2022.2098246?needAccess=true
See also: https://isappscience.org/
Este é o segundo capítulo da envolvente série de 12 partes sobre as tendências de prebióticos para a indústria de alimentos e bebidas, apresentada por NIS HUB e BENEO, fabricante líder em ingredientes à base de plantas com benefícios comprovados para a saúde e nutrição, e uma empresa do Grupo Sudzucker. A BENEO tem apoiado a ciência da microbiota ao longo da evolução dos prebióticos, contribuindo com mais de duas décadas de pesquisa, culminando em 2022 com a publicação da revisão sistemática com meta-análise por Nagy et al. Este trabalho utilizou a metodologia Cochrane, considerada a mais robusta na hierarquia da evidência científica, pois é baseada em uma análise abrangente e fornece uma conclusão confiável e sólida. Exceto pelas fibras da raiz de chicória, nenhum outro tipo de fibra conta com um estudo semelhante.
Artigo escrito por Renata Càssar, Gerente de Comunicação em Nutrição para a América Latina na BENEO/BENEO Institute. Renata é uma especialista em nutrição com Bacharelado em Nutrição, Mestrado e MBA. Em sua atual função na BENEO e BENEO Institute, Renata assume o papel de interagir com clientes e profissionais de saúde, compartilhando conhecimentos que fundamentam os ingredientes da BENEO.

Cadastre-se em nossa newsletter para não perder nenhuma atualização do nosso hub de conteúdo!

Leia também

Contato