Faltam

Dias
Horas
Minutos
Segundos

Microbiota: Impacto ao longo da vida, desde a infância até a velhice

Compartilhar

Imagine uma simples mudança na dieta que melhore sua saúde desde a infância até a velhice. As bifidobactérias, microorganismos intestinais benéficos, são fundamentais para essa transformação. Dominantes em bebês amamentados, elas decompõem carboidratos específicos em compostos benéficos, melhorando a saúde intestinal e o metabolismo geral. Ao apoiar o crescimento das bifidobactérias, você pode melhorar a imunidade, a saúde óssea, o controle de peso e até mesmo o humor.

Promoção da saúde ao longo da vida por meio das bifidobactérias

As bifidobactérias, membros integrais da comunidade microbiana intestinal, têm influência em vários aspectos da saúde, especialmente em bebês amamentados, onde elas dominam. Esses microrganismos benéficos possuem uma via metabólica exclusiva de carboidratos, decompondo carboidratos específicos em ácidos graxos de cadeia curta (SCFA) e lactato. Os produtos da decomposição e os metabólitos influenciam positivamente o ambiente intestinal e estendem seu alcance ao metabolismo do hospedeiro por meio do eixo intestino-cérebro, oferecendo um terreno fértil para exploração contínua, com oportunidades de investigação e benefícios que abrangem todas as fases da vida.

Benefícios das bifidobactérias ao longo da vida

O apoio ao crescimento de bifidobactérias produz uma infinidade de benefícios à saúde adaptados a diferentes estágios da vida. Na infância, um de seus benefícios está relacionado ao fato de que elas podem ajudar a controlar alergias. Durante a infância e a adolescência, as bifidobactérias contribuem para melhorar a absorção de cálcio e o crescimento. Elas também afetam positivamente a cognição, potencialmente apoiando o processo de aprendizado. Na idade adulta, elas apoiam o controle do açúcar no sangue e ajudam no controle do peso saudável, promovendo maior saciedade e contribuindo para mudanças positivas nos processos de inflamação. Mais tarde, na vida adulta, eles apoiam a densidade mineral óssea para ossos mais fortes, fortalecem o sistema imunológico e desempenham um papel no controle de doenças autoimunes. A ciência emergente está se aprofundando em seu impacto potencial sobre o humor, incluindo ansiedade e depressão. Esses são apenas alguns destaques para mostrar como as bifidobactérias são aliadas versáteis da saúde em vários estágios da vida.

Foto Freepik

Importância no início da vida: Bifidobactérias em recém-nascidos

O estabelecimento da microbiota intestinal em recém-nascidos é uma fase crítica, com as bifidobactérias ocupando o centro do palco em bebês amamentados. Os oligossacarídeos do leite humano (HMOs) atuam como os primeiros “prebióticos” para esses bebês, apoiando o crescimento das bifidobactérias. Em bebês alimentados com fórmulas sem prebióticos enriquecidos, a composição da microbiota é diferente. Reconhecendo o padrão ouro estabelecido pelos bebês amamentados, a promoção do crescimento de bifidobactérias torna-se imperativa para benefícios de longo prazo à saúde.

Fibras prebióticas: um estímulo sob medida para as bifidobactérias

Os prebióticos surgem como ferramentas poderosas para apoiar seletivamente o crescimento das bifidobactérias. As ligações ß-2,1 distintas das fibras, como a inulina e a oligofrutose, por exemplo, e o sistema enzimático especializado das bifidobactérias criam um ambiente em que esses microrganismos prosperam, proporcionando uma vantagem competitiva no intrincado ecossistema intestinal. Uma recente revisão sistemática com metanálise publicada por Nagy et al. (2022) demonstrou evidências estabelecidas sobre o impacto desses prebióticos da raiz de chicória na abundância de bifidobactérias no intestino, confirmando que a ingestão de pelo menos 3 g por dia de fibra de raiz de chicória aumenta significativamente as bifidobactérias de forma seletiva na população em geral, com melhorias significativas na função intestinal.

Foto Freepik

Bifidobactérias e suporte ao hospedeiro: Uma aliança estabelecida

O consenso científico confirma que as bifidobactérias contribuem ativamente para a saúde do hospedeiro por meio de funções metabólicas, estruturais e protetoras. Esses microrganismos desempenham papéis fundamentais na inibição do crescimento de possíveis patógenos, estimulando respostas imunológicas, restaurando a microbiota intestinal durante a antibioticoterapia, produzindo vitaminas essenciais e influenciando vários aspectos do ecossistema intestinal.

Disbiose da microbiota: um termo da moda

Atualmente, em todo o mundo, o termo “disbiose” está em voga, tornando-se amplamente reconhecido e discutido. O conhecimento em expansão sobre as relações entre microbiota e doença revela correlações entre disbiose e várias doenças. Baixos números de bifidobactérias são observados em condições como diabetes mellitus tipo 2, doenças inflamatórias intestinais, doença celíaca, obesidade/desordens metabólicas e infecções por Helicobacter pylori. O tratamento da disbiose por meio do aumento da ingestão de bifidobactérias, facilitado por fibras prebióticas comprovadas, surge como uma medida preventiva que apoia a saúde geral.

Atributos bifidogênicos das fibras prebióticas

As propriedades das bifidobactérias estão estreitamente alinhadas com os atributos bifidogênicos dos prebióticos, especificamente as fibras da raiz de chicória. Esse alinhamento ressalta os possíveis aspectos de saúde apoiados pelas fibras da raiz de chicória, incluindo a melhoria do ambiente intestinal, o aprimoramento da função de barreira intestinal e das funções intestinais, o apoio ao sistema imunológico, a mineralização óssea, o controle de peso, a regulação da glicose no sangue, o humor e a cognição, as doenças autoimunes e a atenuação dos processos de inflamação sistêmica.

Desatando os nós: Bifidobactérias, prebióticos e bem-estar

À medida que exploramos a rede de conexões de saúde com as bifidobactérias e os prebióticos, em especial as fibras prebióticas, o potencial para intervenções preventivas e terapêuticas se torna cada vez mais evidente. Essa aliança prepara o terreno para uma vida mais saudável e resiliente em todas as faixas etárias. Não perca os insights adicionais à medida que nos aprofundamos no intrincado mundo da saúde intestinal e seu profundo impacto nos mercados de saúde e bem-estar. Na próxima edição, exploraremos as maravilhas da saúde digestiva e do bem-estar. Fique ligado!

 

Referências
BENEO Institute. (2023). Bifidobacteria in their natural gut ecosystem: How bifidobacteria support health. Fact Sheet. 5 pages.
BENEO Institute. (2023). The uniqueness of inulin and oligofructose from the chicory root: Why their scientific uniqueness translates into an improved diet for the consumer. Fact Sheet. 6 pages.
Gibson and Roberfroid, (1995) J.Nutr. 125: 1401-1412 ;
Gibson et al (2017): Nature reviews. Gastroenterology & hepatology 14 (8), S. 491–502.
Nagy et al. (2022) Crit Rev Food Sci Nutr:1–18. https://www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1080/10408398.2022.2098246?needAccess=true
Rastall R.A. (2023) Chinese Journal of Nutrition, Vol 45, No 2, 2023
Reimer R. (2023); Today’s Dietitian Spring Symposium, Savannah, U.S., May 2023
Vijay and Valdes (2022): European journal of clinical nutrition 76 (4), S. 489–501.
Artigo escrito por Renata Càssar, Gerente de Comunicação em Nutrição para América Latina na BENEO (um dos principais produtores e fornecedores de ingredientes à base de plantas com benefícios para saúde e Nutrição). Renata é uma especialista no assunto com graduação em nutrição, mestrado e MBA. Em sua função atual na BENEO e Instituto BENEO, Renata tem o papel de interagir com clientes e profissionais de saúde, compartilhando conhecimentos que fundamentam os ingredientes da BENEO.

Cadastre-se em nossa newsletter para não perder nenhuma atualização do nosso hub de conteúdo!

Leia também

Photo by Jimmy Dean on Unsplash
Artigos

Acelerando a Inovação em Alimentos por meio dos Prebióticos

Existem razões multifacetadas pelas quais os prebióticos comprovados se destacam como verdadeiros agentes transformadores, possibilitando inovação enquanto melhoram a alimentação dos consumidores. Tendências Alimentares e

Contato